PESQUISA AVALIA USO DE DEFENSIVOS E CONTROLE BIOLÓGICO NO CONTROLE DA TRAÇA-DO-TOMATEIRO

Desde 2018, um estudo para avaliar a utilização de defensivos e sua compatibilidade com agentes de controle biológico (parasitóides) contra a traça-do-tomateiro vem sendo conduzido por pesquisadores da Embrapa Hortaliças, de Brasília (DF).

Os pesquisadores da Embrapa Hortaliças realizam duas avaliações por semana, visando o monitoramento das plantas para verificar o nível populacional da praga e, conforme o resultado, decidir se vão aplicar agrotóxico ou não. 

[ihc-hide-content ihc_mb_type=”show” ihc_mb_who=”5,6,7″ ihc_mb_template=”3″ ]

“Temos dois segmentos dentro da casa de vegetação, um que trabalha somente com o uso de agrotóxico e outro com o inimigo natural da praga, o parasitoide Trichogramma pretiosum, aliado ao uso de pesticidas seletivos, quando necessário, justamente para medir o comportamento da praga em cada uma das situações”, explica Moura.

Os resultados têm permitido confirmar a eficácia dos métodos utilizados. “Em função do que tem sido observado até agora, as respostas têm sido bem promissoras”, assinala o pesquisador Alexandre Moura, responsável pelos ensaios.

Essas avaliações têm mostrado que, no segmento da casa de vegetação, onde só há a aplicação do defensivo, a necessidade de controle da praga é maior quando comparado com o segmento que trabalha com a liberação do parasitoide. 

“Assim, nessas condições, o parasitoide consegue controlar a praga e a quantidade de agroquímicos que precisamos aplicar adicionalmente, para algum controle, é menor comparativamente àquele segmento que só utiliza pesticida”, sublinha o pesquisador.

CUSTO DE PRODUÇÃO

Moura observa também que, quando são empregados outros métodos de controle, o custo da produção também é influenciado, e aponta como exemplo o caso de produtores que fazem aplicações semanais, para controlar pragas em tomateiro, principalmente.

MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS

O pesquisador chama a atenção para a importância do Manejo Integrado de Pragas (MIP), seguido nos experimentos, onde os defensivos só são aplicados quando a população da praga atinge o nível de controle. 

“Além do custo elevado, o uso frequente de pesticidas pode atuar na contramão, isto é, influenciando no desenvolvimento de resistência da praga aos inseticidas, sem esquecer o problema da contaminação – muitas vezes, o tomate é comercializado poucos dias após a aplicação, então a quantidade de resíduo é grande”.

BRS Kiara

Os pesquisadores da Embrapa Hortaliças estão utilizando na pesquisa o BRS Kiara, híbrido de tomate para consumo in natura, indicado tanto para cultivo protegido, quanto para campo aberto. 

Lançado em 2012, o BRS Kiara foi desenvolvido em parceria com a empresa Agrocinco, de Monte Mor (SP), responsável pela comercialização das sementes. O cultivar foi escolhido para o estudo em virtude das suas características: pegamento estável de frutos, mesmo com temperatura elevada e durante o período chuvoso. Apresenta frutos arredondados e firmes, com peso de até 200 gramas e com boa aceitação comercial.

 

Andrea Weschenfelder
Plataforma Hidroponia – Editora WEB
MTB 10594

[/ihc-hide-content]

Compartilhe esta informação:

Posts Recentes

Carrinho

Nenhum produto no carrinho.

Finalizar compra