Empresário brasileiro empreende em Moçambique

 

O mercado de hidroponia deve atingir US $ 16 bilhões em 2025. O crescimento da hidroponia é impulsionado por rendimentos mais altos em comparação com os métodos agrícolas convencionais. O método hidropônico faz uma utilização criteriosa da água, do solo, do espaço e dos fertilizantes, que é mais uma razão para a proliferação da adoção do sistema. 

Além de a demanda crescente por uma alimentação limpa prevalecer entre os consumidores devido à suscetibilidade às contaminações, prevê-se que uma série desses fatores reflita positivamente no crescimento do mercado global de hidroponia durante o período de previsão.

A Plataforma Hidroponia que mantém um ambiente completo de negócios, traz por meio do Programa Correspondente Hidropônico, uma entrevista com o empreendedor Jenaro Lopez. 

Carioca, com Formação Técnica em Topografia e Construção, Jenaro encontrou uma oportunidade de negócio com a Hidroponia criando o HidroMoz - primeiro distribuidor de sistemas hidropônicos em Moçambique. 

“Hoje somos a maior produção hidropônica do país com capacidade de produção de 16.000 plantas em sistema NFT, e 2.000 plantas em semi-hidropônico”.   

Jenaro Lopez

 

PH - Qual é o atual cenário da Hidroponia em Moçambique?

JL - A visão sobre a Hidroponia em Moçambique é que ainda há muito o que se fazer, deve existir no país cerca de apenas 20 sistemas montados, e muitos dos mesmos parados, porque não tiveram formação/apoio, para seguir a produção. Por isso, tive o intuito de criar uma empresa para poder fornecer produtos e dar cursos que é a Hidromoz, empresa criada em parceria com um sócio local.

Tenho dado apoio a pessoas que já nos conhecem para fazer outros projetos funcionarem, isso veio depois da participação Feira FACIM de 2019 - uma feira multissetorial em Moçambique organizada pelo IPEX - Instituto de Apoio à Exportação - que busca facilitar o contato com os expositores internacionais e estimular o consumo e integração econômica de Moçambique na economia.

Nossa empresa Fresh and Green começou a produzir no final de 2018, e éramos o primeiro e único a produzir em escala comercial em Maputo. Hoje somos a maior produção hidropônica do país com capacidade de produção de 16.000 plantas em sistema NFT, e 2.000 plantas em semi-hidropônico.

 

PH-  Quando e como surgiu seu interesse pela Hidroponia? 

JL- Sempre tive paixão pela agricultura e vi na Hidroponia uma possibilidade de ter produção concentrada em um espaço pequeno para controle. Hoje, temos um projeto de produção de café orgânico em fase de desenvolvimento, porque vimos a possibilidade no país. É uma outra aposta.

 

PH- Quais as vantagens e oportunidades da produção hidropônica no seu país? 

JL - Em relação às vantagens, oportunidades e intercâmbio é muito boa. Moçambique está na lista dos países mais pobres do mundo, mas também tem uma das maiores reservas de gás do mundo e está iniciando neste momento a exploração.

O país tem previsto um grande crescimento para a próxima década. Conheço muitos técnicos de Moçambique que fizeram formação no Brasil, quem tem possibilidade de sair fora para melhorar sua formação, deve fazer.

 

PH - Quais são as principais vantagens dos consumidores ao optar por produtos cultivados sem solo?

JL- Principal vantagem é a limpeza e a confiança de estar consumindo um produto com menos  químicos, porque na África e vários outros países,  existem muitos problemas no uso indevido de químicos no cultivo de hortaliças. Aqui em Maputo, por exemplo, somente em 2019, morreram 8 pessoas por comer couve contaminada por produto químico usado para o tabaco.

 

PH - Em relação ao futuro, quais são as perspectivas para o mercado da Hidroponia? 

JL - Em Moçambique vejo grande perspectivas devido ser uma nova forma de produzir. Com respeito ao meio ambiente devido ao uso menor de  água do que o cultivo em campo aberto.

No mundo e em muitos países é uma realidade....minha origem é Espanhola, da região de Granada que é onde tenho minha casa, vivi muitos anos em Almería, maior região de Europa com estufas para produção nesses métodos.

 

Quer saber mais sobre as Missões Técnicas da Plataforma Hidroponia? Conheça  aqui!!

 

PH  - Considerando o atual momento (pandemia) e a questão sanitária e de saúde com relação aos alimentos o que você diria aos produtores e consumidores de produtos hidropônicos?

JL - Temos que ter mais cuidado na higienização de todos os funcionários que trabalham na produção até a entrega final ao cliente.

 

PH - O que você acha do trabalho desenvolvido pela Plataforma Hidroponia nesse mercado de cultivo hidropônico?

Conheço há pouco tempo e acho muito bom. Desejo contribuir para que se promova em mais canais.

 

PH -   Na sua visão quais as perspectivas para esta cooperação como Correspondente Hidropônico para a Plataforma Hidroponia?

JL - Fazer com que a revista seja mais conhecida em Moçambique tanto a nível de produtor como instituições do estado e universidades.

 

Correspondente Hidropônico > Conexão Moçambique

O Programa Correspondente Hidropônico da Plataforma Hidroponia está aberto à jornalistas, publicitários, comunicadores  e especialistas que tenham conteúdos de informação  sobre o cultivo sem solo. O objetivo é criar uma rede de informação possibilitando a ampliação da cobertura deste segmento.

Esta iniciativa está sendo lançada com a entrevista do produtor/empresário Jenaro Lopez , estabelecido em Moçambique.

Quer saber mais sobre o Programa de Correspondente Hidropônico? Clique aqui!!!

 

 

Tags: Correspondente Hidropônico Moçambique Conexão Mundo da Hidroponia Produção Hidropônica

Compartilhar

Relacionados

Conversar no Whatsapp