Cultivando alimentos em seu iate: tudo o que você precisa saber para se tornar autossuficiente

Cultivando alimentos em seu iate: tudo o que você precisa saber para se tornar autossuficiente

A auto-suficiência é uma meta de muitos iates e cruzadores liveaboard que navegam os oceanos do mundo, gerando sua própria água e energia.

Com espaço limitado e os desafios óbvios de sal, vento e movimento, muitos nunca teriam a ideia de cultivar seus próprios produtos. No entanto, pode ser possível há navegadores que são jardineiros de sucesso e que aprenderam mais sobre as possibilidades de cultivo de ervas e vegetais frescos em um iate.

 

O escorbuto, a doença que historicamente perseguiu os marítimos, é causada pela falta de vitamina C, tradicionalmente associada a longas passagens no mar sem frutas ou vegetais. Felizmente, o escorbuto não é algo com que a maioria dos marinheiros precisa se preocupar atualmente, no entanto, as verduras frescas ainda duram apenas alguns dias na maioria dos refrigeradores de barco, muitas vezes sofrendo com o movimento.

 

Mas com uma horta a bordo, por menor que seja, a massa com manjericão fresco ou uma salada crocante não se limita mais a provisões compradas na costa. Muitas ervas também são conhecidas por terem benefícios à saúde, sendo ricas em vitaminas e propriedades anti inflamatórias. Conheça agora!!

 

AUTO SUFICIÊNCIA A BORDO DE UM IATE  

Com planos de cruzar o Oceano Pacífico, o cruzador de longa data Rick Moore e sua companheira Maddie, uma chef, decidiram que um jardim a bordo era uma necessidade para seu Jeanneau 52 Soph Sofistic Lady.

 

“Os últimos tempos destacaram a importância da autossuficiência em um iate, não apenas em termos de energia e água, mas em todas as formas: energia, alimentação e saúde”, explica Rick. “A escolha de começar a construir uma pequena horta orgânica pareceu, para nós, a decisão mais sensata para o nosso barco.”

 

INÍCIO 

Cultivar um jardim em um barco exige algum planejamento e dedicação, com desafios que são exclusivos da vida à tona. “Nos estágios iniciais, as mudas precisam ser protegidas o máximo possível da água do mar. Por isso, procuramos cultivar plantas que amam a sombra, como babosa, orégano, cebolinha, tomate, pimenta e hortelã, onde estarão protegidos da maresia e com menos exposição ao sol ”, explica Moore.

 

Sua localização também determinará o que irá prosperar e o que irá perecer, e isso requer um pouco de tentativa e erro. Cultivar algumas plantas que devem perecer na agua, especialmente nos primeiros dias, será comum. Viver em um barco requer paciência, e jardinar em um barco não é diferente; leva tempo. No entanto, de acordo com Moore, sua dedicação fará com que você colha os frutos em poucos meses.

 

Saiba mais: Como descartar de forma correta os nutrientes hidropônicos



Ele recomenda começar com mudas baratas do mercado local ou sementes do supermercado. “Eles são baratos e perfeitos para começar a experimentar. 

 

“Usar vasos retangulares com centro de gravidade baixo e menos solo do que você normalmente faria com que o vaso tivesse menos probabilidade de tombar e criaria menos bagunça. Considere também a escolha de plantas que gostam de dividir um vaso, como tomilho, orégano e alecrim, que preferem solo bem drenado, ou hortelã, coentro e erva-cidreira, que preferem mais umidade. Desta forma, você maximizará seu espaço e aumentará a variedade. ”

 

Muitas vezes, as caixas de plantio retangulares longas são ideais, especialmente se encaixadas perfeitamente sob o dodger. Embora algumas plantas precisem de solo bem drenado, Moore tende a usar vasos que não tenham buracos no fundo ou os encha com fibra descartável, simplesmente porque discos de água lamacenta em um barco em movimento não são algo que você queira lidar com.

 

Se suas plantas recebem respingos do mar, enxaguar com um borrifador de água doce pode ajudar a rejuvenesce-las após uma longa passagem. Também é importante treinar suas plantas, o que significa cortá-las para estimular um padrão de crescimento menor, porém mais amplo. Plantas altas e pesadas terão menos probabilidade de permanecer em pé.

 

Claro, as maiores dificuldades surgem quando você decide velejar, especialmente se morar em um monocasco em um ângulo de 45 °. “Uma solução que encontramos é embrulhar os vasos em papel alumínio, deixando apenas as plantas expostas. Isso não apenas contém o solo, mas também contém umidade e evita que o solo seque ”, disse Moore.

“Outra opção é guardar os potes em caixotes de madeira que podem ser guardados em algum lugar seguro embaixo. Quando você encontra uma tempestade inesperada ou mar agitado, a última coisa com que você precisa lidar é um salão coberto de solo ”, acrescentou. Outras soluções para proteger suas plantas durante o trajeto incluem cordas elásticas, blu-tac ou velcro resistente, dependendo do tamanho do vaso.

Alimentado e regado

Todas as plantas de Rick e Maddie são fertilizadas com composto caseiro, criado com os resíduos orgânicos de restos de comida, como cascas de vegetais, restos de café e chá, cascas de ovo e podas. Eles também tratam seu jardim com inseticidas naturais, para não contaminar seus alimentos com produtos químicos.

 

O sistema de irrigação é fornecido diretamente da água do mar, dessalinizada a bordo. Embora a água do watermaker geralmente seja boa para usar, é recomendado que você teste com um pequeno kit de pH (semelhante ao usado para testar piscinas) para garantir a acidez certa para suas plantas. Isso pode significar adicionar uma pequena dose de vinagre branco para equilibrar a acidez. Outra opção é coletar a água da chuva, o que geralmente é fácil de fazer capturando o escoamento de áreas como o bimini e os painéis solares.

 

A JARDINAGEM HIDROPÔNICA A BORDO DO CHASING EDEN TROUXE PRODUTIVIDADE E EFETIVIDADE

 

Se você estiver em uma área remota e comprar solo no supermercado não for uma opção, muitas vezes você pode pedir aos locais um solo rico de seus jardins. A maioria das pessoas ficará feliz em obedecer, mas lembre-se de que você não quer introduzir uma população de novas criaturas em seu barco. Se possível, uma solução é congelar o solo por alguns dias para matar todos os insetos.

 

Jardinar em um barco pode ser um hobby agradável, desafiador, mas recompensador. De acordo com Moore, as plantas mais simples e rápidas de crescer eram o manjericão, o orégano e a pimenta malagueta. Mas ele também cultiva vários arbustos com flores e plantas tropicais, bem como aloe vera, que pode ser usada para tratar queimaduras solares e picadas de insetos.

 

“Gosto muito das minhas plantas, tanto que costumo dar nomes a elas. Elas trazem uma sensação de calma à nossa casa, são esteticamente agradáveis e purificam o ar. Elas também me dão um senso de propósito e, depois de viajarem comigo por muitos anos, sinto que se tornam parte da família ”.

 

HIDROPONIA A BORDO

Kyle Brereton e Hayley Cook vivem em um catamarã construído na Austrália chamado Chasing Eden. Além de cultivar suculentas e sempre-vivas tropicais a bordo, eles montaram um jardim hidropônico.

 

“O que nos levou ao sistema hídrico foi que ele era leve, limpo e tinha uma safra muito mais rápida. Para a vida em um barco, tudo precisa ser muito adaptável e produtivo ”, explica Brereton. “Inicialmente, tentamos nossa produção vegetariana no solo, mas acabamos com plantinhas pequeninas e enrugadas que ocuparam todo o espaço do convés traseiro.”

 

O casal experimentou um sistema hidropônico e descobriu que era fácil fornecer os nutrientes adequados direto para a planta, permitindo que crescessem saudáveis e fortes muito mais rápido.



Um problema foi a polinização. “Logo percebemos que não havia muitas abelhas interessadas em visitar nosso barco no meio do oceano”, lembra Cook. Os sites de jardinagem oferecem dicas sobre como autopolinizar suas plantas com um pincel pequeno.

 

Sally McAdam, da Clearwater Cruising, também tem um sistema hidropônico em seu barco. “Estamos usando nutrientes hidropônicos para cultivar manjericão, couve, couve chinesa, cebolinha e amaranto. Isso aconteceu porque era muito difícil encontrar um bom solo de cultivo para vasos (no nosso caso, cocos) em atóis de areia e em comunidades insulares.

 

“Fizemos jardins suspensos com garrafas de plástico que balançam com nossos movimentos. Eles estão pendurados nos turcos, mas em grandes mares eles acabam caindo. ”

 

A versatilidade da produção sem solo permite que seja realizada em qualquer lugar, inclusive a bordo de um iate!! Comente sobre a notícia!

 

Estudos: EMBRAPA e empresa de hortifruti desenvolvem pesquisa para produção em ambientes controlados

 

Andrea Weschenfelder

Plataforma Hidroponia - Editora WEB

MTB 10594

Tags: hidroponia iate vegetais hortaliças

Compartilhar

Relacionados