Conheça 8 inovações verdes que vão movimentar a sustentabilidade em 2021

O ano de 2020 foi o que nenhum de nós esperava. Em termos ambientais, embora as medidas de bloqueio levem à redução das emissões, é provável que elas retornem. Além disso, a crise financeira afetou desproporcionalmente as comunidades marginalizadas e trouxe de volta o progresso global em questões como igualdade de gênero e saúde pública. O investimento na geração de energia renovável e tecnologias relacionadas também diminuiu.

 

Entre altos e baixos, os inovadores continuaram a desenvolver soluções para alguns dos desafios de desenvolvimento sustentável mais urgentes do mundo. Enquanto mantém um olho no presente, identificamos oito grandes áreas de inovação que poderiam ser definidas para começar em 2021. Conheça agora!

 

INOVAÇÕES VERDES PARA 2021

1) PLANOS DE HIDROGÊNIO

A aviação é responsável por cerca de 3% das emissões globais em uma base anual. E também um dos setores mais difíceis de mudar, visto que o combustível sustentável para aviação, aeronaves elétricas e aviões a hidrogênio ainda não estão maduros.

Em 2020, entretanto, viu grandes avanços neste último desses espaços. A Airbus traçou planos para levar um avião de passageiros movido a hidrogênio ao público em geral até 2035, apresentando três projetos potenciais. O maior modelo pode transportar 200 passageiros até 2.000 milhas náuticas. Além disso, um projeto no Reino Unido, concluiu o primeiro voo de um avião movido a hidrogênio de classe comercial. O modelo pode transportar apenas seis passageiros, mas há esperanças de que a tecnologia possa ser ampliada; o governo alocou recentemente £ 12,3 milhões para ajudar no desenvolvimento de um modelo de 19 lugares.

Claro, mas a produção de hidrogênio precisará ser renovada para que esta seja uma solução sustentável. Mais de 99% do hidrogênio produzido globalmente em 2019 dependia de combustíveis fósseis de alguma forma, de acordo com Wood McKenzie.

 

2) SISTEMAS DE DESSALINIZAÇÃO MOVIDOS A ENERGIA SOLAR 

A ONU estima que mais de dois bilhões de pessoas não têm acesso a água potável e que outros dois bilhões vivem com acesso precário a saneamento. O problema é mais pronunciado nas regiões em desenvolvimento da Ásia e da África. No entanto, muitas dessas regiões dependem da agricultura para obter empregos - e este é um setor que responde por 70% do uso de água doce em todo o mundo.

Uma solução potencial para esse problema vem na forma de dessalinização movida a energia solar. Essa tecnologia não apenas ajuda a aliviar o estresse hídrico, mas também mitiga a necessidade de dessalinização movida a diesel, que contribui para o aquecimento global e para a poluição do ar. De acordo com a Solar Impulse Foundation, projetos de dessalinização solar estão em andamento em dezenas de países, abrangendo todos os continentes, exceto a Antártica.

Entre os operadores dessas matrizes estão Terraformation, que instalou 128 kW de energia solar e 300 kWh de armazenamento de massa para alimentar uma instalação fora da rede na Ilha Grande do Havaí, e Desolenator, que trouxe sua maior instalação em parceria com Carlsberg.

 

3) MAPEAMENTO DE SATÉLITE

Os frutos da Quarta Revolução Industrial continuam a mudar a forma como a comunidade empresarial interage com a sociedade em geral, as empresas estão percebendo um aumento na demanda por transparência sobre as operações da cadeia de suprimentos. Uma nova legislação também está sendo desenvolvida em um ritmo para lidar com questões ambientais e éticas de longa data, como o desmatamento, em uma base mais internacional.

O mapeamento por satélite dá às empresas e governos a oportunidade de, literalmente, ter uma “visão geral” das cadeias de abastecimento e regiões - e as tecnologias relacionadas têm melhorado rapidamente nos últimos anos. Como tal, foram adotados por gigantes corporativos, incluindo Unilever e Mondelez.

A tecnologia também pode ser aplicada por governos e ONGs que buscam implementar infraestrutura de adaptação climática ou desenvolver projetos de restauração significativos sem consequências negativas indesejadas. 

Em 2020, a Microsoft estreou um “computador planetário” que combina imagens de satélite e IA para informar o desenvolvimento de tais projetos. 

 

 4)  RASTREAMENTO INTELIGENTE DE TERRAS AGRÍCOLAS E FLORESTAIS

Claro, os satélites não são a única maneira de monitorar o uso da terra e as florestas. O Departamento de Meio Ambiente, Alimentos e Assuntos Rurais (Defra) do Reino Unido está trabalhando com a Vodafone para aplicar a tecnologia da Internet das Coisas (IoT) à conservação da floresta, por exemplo, rastreando o crescimento das árvores e modelando as condições ideais.

E, na Índia, a Nokia está trabalhando com a Fundação Vodafone para aplicar a IoT em todo o setor agrícola, começando com soja e algodão. Mais de 400 sensores foram implantados em 100.000 hectares de terras agrícolas, coletando dados ambientais que são analisados por um aplicativo baseado em nuvem. 

O aplicativo transmite as descobertas, em termos simples e nos idiomas locais, aos agricultores, junto com as previsões do tempo. Ele também fornece dicas sobre irrigação inteligente e controle de pesticidas.

Outra solução é o monitoramento acústico - rastrear os sons em um determinado habitat para identificar desmatadores e outros processos que degradam a biodiversidade. A Rainforest Connection, sem fins lucrativos, instalou muitos gravadores nas copas da Amazônia para localizar sons como serras elétricas, mas tecnologias desatualizadas significam que pode levar até 14 dias para os guardas chegarem. Para esse fim, Hitachi Vantara recentemente usou análises para construir uma “linha de base” mais detalhada dos sons da floresta - e até mesmo pequenos desvios são repassados aos guardas em tempo real. Isso os orienta para localizar scouters antes que possam cortar as árvores.

Com as nações e empresas cada vez mais cientes da possibilidade da destruição do planeta, os esforços para aplicar tecnologia "inteligente" na conservação e restauração provavelmente se expandirão e se acelerarão.

 

5) FAZENDAS VERTICAIS

A forma como a humanidade atualmente usa a terra é um dos principais contribuintes para as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade. De acordo com o IPCC, o uso da terra é responsável por 23% das emissões de GEE- Gases de efeito estufa pelo homem, sendo a maioria atribuível à agricultura. 

Não é surpreendente, então, que o mercado de agrotecnologia verde esteja prosperando. As inovações variam de trilhas de auditoria de blockchain a robôs movidos a energia solar capazes de remover ervas daninhas e plantar.

Saiba mais: CONHEÇA EDDY, O ROBÔ QUE PODE AJUDÁ-LO A CULTIVAR VEGETAIS EM SISTEMA HIDROPÔNICO

 

Mas uma solução que foi comprovada em escala é a agricultura vertical. As fazendas verticais normalmente empilham várias camadas de produtos umas sobre as outras, minimizando o escoamento e reduzindo a quantidade de espaço necessária para o cultivo de frutas, vegetais e grãos frescos.

Como as fazendas geralmente são mantidas em ambientes fechados ou cobertos, a necessidade de uso de pesticidas também é reduzida ou totalmente eliminada, com a maioria das fazendas verticais equipadas com tecnologias de aquecimento de baixo carbono e iluminação LED com eficiência energética. 

Muitas fazendas verticais inovadoras também são projetadas para usar aeroponia ou hidroponia - um processo de cultivo que utiliza água e, portanto, evita qualquer degradação do solo.

 

6) ALIMENTAÇÃO ANIMAL ALTERNATIVA 

Muitas terras agrícolas são usadas não para produzir alimentos para consumo humano, mas para produzir ração animal. Entre 85% e 99% de toda a soja produzida vai para a alimentação animal, por exemplo, e a commodity apresenta alto risco de desmatamento.

Além de tornar a agricultura mais eficiente - como fazem as fazendas verticais - muito trabalho foi feito para desenvolver e aumentar a escala de proteínas alternativas para deslocar aquelas com riscos ambientais na alimentação animal. Em 2019, o Prêmio de Inovação de Produto da edie foi para a Nutreco e a Skretting , que estão desenvolvendo ração vegetal para salmão para ajudar a combater a pesca predatória ligada à farinha de peixe.

Outras empresas buscaram substituir ingredientes de ração ambientalmente problemáticos por insetos e carbono capturado. A Entocycle, sediada em Londres, recebeu recentemente £ 10 milhões em financiamento do governo para construir uma segunda instalação de produção de moscas negras para alimentação animal. 

A empresa alimenta os insetos usando resíduos de alimentos do comércio local. O governo também apoiou a Deep Branch Technology, que usa carbono capturado na fábrica de biomassa de Drax em Yorkshire para fazer ingredientes para ração animal.

 

7) RECICLAGEM DE PLÁSTICOS QUÍMICOS

A conscientização do público para o fato de que apenas 9% de todo o plástico já produzido foi reciclado aumentou desde o lançamento do Blue Planet 2 em 2017. As pessoas também estão cada vez mais céticas quanto às desvantagens da reciclagem mecânica tradicional de plástico.

Itens como plástico preto e filme flexível, por exemplo, são difíceis de processar, e mesmo itens recicláveis podem completar apenas alguns ciclos antes que a qualidade do material se deteriore significativamente.

Junto com o aumento da escala de embalagens descartáveis sem plástico e de reutilização e refil, as inovações na reciclagem de produtos químicos têm ganhado força. A Lux Research chamou a reciclagem de plástico químico de “tecnologia emergente de ponta a se observar” em 2021, após 155 startups terem sido fundadas no espaço entre 2010 e 2020.

Essas startups estão recebendo atenção de grandes empresas e governos. Empresas que estão abordando a reciclagem de plásticos químicos como parte de seu trabalho de materiais incluem Nestlé, Unilever, Tesco e Henkel. A maioria das tecnologias processa a quebra de polímeros em monômeros, prontos para purificação e, então, fabricando novos materiais e produtos.

 

8) CARNE CULTIVADA EM LABORATÓRIO

Na mesma semana em que a primeira vacina Covid-19 foi aprovada no Reino Unido, a seção de ciência dos jornais nacionais também publicou notícias de que a carne produzida em laboratório estava sendo aprovada para venda pela primeira vez.

Ao aprovar as “carnes de frango' cultivadas em laboratório da Eat Just para venda ao público, o regulador de alimentos de Cingapura abriu a discussão sobre o futuro dos alimentos éticos e de baixo carbono - e deu esperança para dezenas de outras empresas que desenvolvem carne bovina, suína e de aves cultivadas em laboratório.

As células usadas para produzir as picadas vêm de biópsias (pequenos fragmentos de tecido) de animais vivos e não precisam ser abatidas. Eles são então fornecidos com nutrientes das plantas para estimular o crescimento.

Obviamente, o processo de produção de carne cultivada em laboratório é significativamente mais lento e mais caro. A carne será vendida em um restaurante para começar. O setor pode ter um rápido crescimento nos próximos anos, no entanto, à medida que grandes empresas e investidores continuam a aproveitar a onda de proteínas alternativas.

 

Conheça as inovações na área na hidroponia!

 

Andrea Weschenfelder
Plataforma Hidroponia – Editora WEB
MTB 10594

Tags: Hidroponia Cultivo Hidropônico Cultivo sem solo Inovações verdes Sustentabilidade

Compartilhar

Relacionados