CUIDADO COM HIGIENIZAÇÃO NO CULTIVO PROTEGIDO PRECISA SER LEVADA A SÉRIO

Na Pink Farms, de São Paulo (SP) – primeira fazenda vertical urbana e comercial da América Latina, a preocupação com a assepsia é levada ao extremo. Com cerca de 200 metros quadrados de área produtiva, a safra de hortaliças cresce dentro de um galpão, no bairro Vila Leopoldina.

A produção dispensa o uso de defensivos agrícolas, porque não entra nem uma mosca na plantação – muito menos as espécies comumente consideradas pragas agrícolas. As salas de cultivo, dentro de torres no galpão da startup, são fechadas, como grandes câmaras frias.

“O isolamento é muito importante para esse tipo de cultivo, e não só para evitar a entrada de insetos. Qualquer troca de ar prejudicaria o controle da temperatura, da umidade, do nível de CO2” explica Rafael Delalibera, um dos três sócios do empreendimento.

O cuidado realizado na Pink Farms, infelizmente, não é uma prática comum no ambiente de cultivo hidropônico no geral, e neste artigo, mostraremos como esse assunto vem sendo tratado. Acompanhe!

[ihc-hide-content ihc_mb_type=”show” ihc_mb_who=”5,6,7″ ihc_mb_template=”3″ ]

HIGIENIZAÇÃO NA PRODUÇÃO GARANTE QUALIDADE DO PRODUTO

As pessoas que entram no local de produção da Pink Farms precisam vestir toucas, máscaras, botas ou protetores de calçados – tudo para evitar a contaminação das plantas.

“O processo produtivo é feito dentro de um ambiente isolado, com tratamento de água e ar.

Todos que entram na sala das hortas devem entrar com roupa específica para garantir o processo de higienização – dessa forma, a planta já cresce limpa”, sublinha Mateus Delalibera.

A produção é 100% orgânica: entra na fazenda em forma de semente e sai embalada, pronta para consumo, sem necessidade de lavagem e com o mínimo de contato humano para garantir a qualidade.

“Só tiramos a planta do ambiente já embalada e fazemos frequentes testes microbiológicos para entender qual é o nível de contaminação e se está apropriada para consumo ou não”, afirma outro sócio da startup, o engenheiro de Produção Geraldo Maia.

Os primeiros resultados da primeira fazenda vertical urbana são animadores. Os vegetais são cultivados livres de agrotóxicos e com 50% menos de fertilizantes. A economia de água chegou a surpreendentes 95%. E, como as entregas são feitas em um raio de 16 quilômetros, a empresa também economiza com transporte e combustível, além de entregar aos consumidores um produto fresco, recém-colhido.

QUAIS CONTROLES FITOSSANITÁRIOS UTILIZAR NO CULTIVO PROTEGIDO

A Hidroponia possui várias vantagens e uma delas é o melhor controle fitossanitário.

O cultivo de plantas em ambiente protegido propicia uma redução drástica no uso de defensivos químicos, em virtude da barreira física formada pelas telas laterais da estufa agrícola, a qual impede a entrada de insetos, pragas e vetores de doenças.

No cultivo hidropônico, assim como no convencional, também ocorrem ataques de pragas e doenças, porém em menor intensidade, pois as plantas são mais protegidas das adversidades do clima, dos patógenos e dos insetos, além de serem melhor nutridas durante o ciclo.

“Eliminando o solo, o risco de contaminação também diminui porque a água usada não tem micro-organismos que provocam doenças”, ensina o engenheiro agrônomo Pedro Roberto Furlani, sócio-diretor da Conplant, de Campinas (SP).

Porém, mesmo a técnica não fazendo uso do solo, que é onde ocorre a maior parte dos vetores, existem fungos e bactérias que se proliferam na água. E isso faz com que as plantas sigam vulneráveis a algumas doenças e infestações de pragas. Uma estufa mal planejada, um manejo inadequado das cortinas ou ainda uma solução nutritiva com problemas, podem favorecer o ataque de doenças.

“Um ambiente quente, úmido e mal ventilado é doença na certa. E na Hidroponia, uma vez estabelecida a doença, seu alastramento é rápido e fulminante. O mesmo acontece quando ocorre o ataque de insetos”, afirma o Professor Doutor Jorge Barcelos de Oliveira, que coordena o Laboratório de Hidroponia (LabHidro) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

No cultivo sem solo, um dos principais meios de transmissão para a disseminação dos patógenos é a solução nutritiva, já que ela circula por todo o sistema e pode contaminar diversas plantas. E, caso não sejam identificadas a tempo, as pragas e doenças podem ser transmitidas de uma planta para outra, infectando a plantação inteira e causando um problema de proporção muito maior para o produtor rural.

IMPORTÂNCIA DAS BOAS PRÁTICAS DE CULTIVO NO AMBIENTE PROTEGIDO

Além de treinar corretamente quem for trabalhar no cultivo (ensinando a manejar a solução adequadamente, tratar o ambiente etc.), é necessário que o produtor saiba identificar as principais pragas e doenças do cultivo hidropônico antes de usar qualquer método de controle, conforme explica o pesquisador Ailton Reis, especialista em fitopatologia da Embrapa Hortaliças, de Brasília (DF).

“A melhor arma ainda é a prevenção. Mas os empregados têm que saber identificar e como fazer o controle das pragas e doenças”, observa Reis.

Tem que estar atento, e não são todos os colaboradores que cuidam planta por planta  diariamente”, acrescenta Jorge Barcelos, que prefere utilizar chás e caldas a defensivos químicos nas estufas do LabHidro.

O produtor hidropônico pode tomar algumas medidas simples para evitar a entrada de pragas e doenças no interior da estufa. Conheça agora quais são os cuidados básicos para manter uma boa qualidade de higiene no ambiente de cultivo:

  • Utilize água de boa qualidade ao fazer a solução nutritiva, que deve estar sempre limpa e livre de impurezas físicas e biológicas;
  • Também é importante manter o nível do reservatório, pois tende a diminuir com o desenvolvimento das plantas;
  • É fundamental que o produtor hidropônico faça a limpeza periódica dos tanques e canais por onde passa a solução nutritiva, pois, com o desenvolvimento da planta, ocorre a formação de algas, que também é propiciada pela entrada de luz nos canais (perfis hidropônicos), sendo recomendado o escurecimento do ambiente, reservatório e calhas, ou a utilização de materiais de cor escura;
  • É indicada ainda a realização da limpeza do reservatório e dos perfis durante a troca da solução nutritiva do sistema;
  • Outra sugestão dos especialistas é aumentar a resistência natural das plantas;
  • O agricultor precisa manter a solução nutritiva bem balanceada e controlada, pois é por meio dela que a planta recebe todos os nutrientes que precisa para o seu desenvolvimento;
  • Recomenda-se que a estufa agrícola seja construída em um local arejado e bem ensolarado.

Como vimos, os cuidados com a higienização dos materiais e as práticas no ambiente de cultivo protegido são importantes e no final, agregam valor à produção.

Andrea Weschenfelder
Plataforma Hidroponia – Editora WEB
MTB 10594

[/ihc-hide-content]

Compartilhe esta informação:

Posts Recentes

Carrinho

Nenhum produto no carrinho.

Finalizar compra